Archive for the ‘Os 10 Mandamentos’ Category

1º Mandamento

maio 25, 2009

“Não terás outros deuses diante de mim” (Êxodo 20:3)
A bíblia registra as palavras do próprio Deus: “Antes de mim não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum. Eu é que sou Deus, e além de mim não há salvador.” (Isaías 43:10,11).

Num primeiro instante, estas frases podem parecer como broncas de um Deus exclusivista, egoísta, “mandão”, devoto de si mesmo. Mas depois de exegeticamente estudados, outra realidade nos é mostrada: Ele nos deixou estas instruções pelo simples fato de “preocupar-se profundamente comigo e com você”!

Antigamente várias foram as deidades criadas pelo homem no intuito de satisfazerem seus próprios interesses, deuses imaginários representados por ídolos feitos de materiais como metal, pedra e madeira, associados geralmente a elementos da natureza, como o trovão, os mares e o vento. Hoje, não muito diferente, as pessoas continuam adorando a muitos deuses falsos, alguns ainda de metal, pedra e madeira, ajoelhando-se e prestando adoração a estes que são incapazes de “ver, ouvir, comer, nem cheirar” – (Deut 4:28). Interessante, que sobre isto está escrito: “Os ídolos das nações são prata e ouro, trabalho das mãos do homem terreno. Têm boca, mas não podem falar; têm olhos, mas não podem ver; têm orelhas, mas não podem dar ouvidos a nada. Tampouco há espírito na sua boca. Iguais a eles se tornarão os que os fazem, todo aquele que neles confiar” (Salmo 135-15-18).

Hoje, naturalmente a cultura é outra. Além destes que tomam tempo precioso de muitos, outros deuses são mais populares: entre tantos, o deus riqueza, o deus sexo e o deus poder ocupam o lugar central da vida de milhões, talvez bilhões.

Do culto invisível à riqueza se originou o trabalho excessivo, stress, falta de tempo à família, doenças… entre outras coisas. Do deus sexo, se originou a pandemia de várias doenças como a aids, o problema da pedofilia e do aborto… entre outros. Do deus poder então, vale tudo: extorsão, mentira, corrupção, traição e ações mais graves, como os que hoje matam pai e mãe e os que ainda eliminam nações inteiras, mesmo que hajam homens, mulheres e crianças inocentes, tudo em buscar de poder!

Além disso, tudo aquilo que vem em primeiro lugar em nossas vidas, são como deuses. Seu trabalho é mais importante que qualquer outra coisa? Então ele é um deus para você. Seus estudos estão em primeiro lugar? Então seus estudos são como deus para você. A sua namorada(o) está em primeiro lugar para você? Pois é, ele(a) está ocupando o lugar dAquele que deveria estar no primeiro lugar da sua vida. Talvez você pense: “Como posso colocá-Lo em primeiro lugar na minha vida se nem O conheço”? Este é justamente o ponto – “Só não colocamos Deus em primeiro lugar em nossas vidas, justamente QUANDO NÃO O CONHECEMOS”! Reflita: Ele te criou, criou seus pais, seus avós, seus bisavós… criou o alimento do seu desjejum; criou a matéria que lhe veste neste momento, o chão que você pisa, o ar que você respira… “Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os estendeu, e espraiou a terra, e a tudo quanto produz; que dá a respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela.” (Isaías 42 : 5).

Nós nunca perdemos quando obedecemos a Deus, pelo contrário. Este mandamento foi dado em amor aos Seus filhos, de todas as épocas e raças. Deus está querendo dizer que toda vez que algo ocupa o lugar que por direito é dEle, o único prejudicado é sempre eu e você, não Ele! Pois afinal de contas, Deus é e sempre será Deus, com ou sem nós, com ou sem nossa decisão, com ou sem nossa autorização, querendo ou não querendo, acreditando ou não acreditando… mas e nós sem Ele, somos o quê?

Jamais poderemos observar qualquer outro mandamento se antes não obedecermos o primeiro. Fica aqui o convite: “Agora, pois, ó Israel, que é que o SENHOR teu Deus pede de ti, senão que temas o SENHOR teu Deus, que andes em todos os seus caminhos, e o ames, e sirvas ao SENHOR teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma” ? (Deut. 10-12).

REFLEXÃO:
“Vê que hoje te pus diante de ti a vida e o bem, a morte e o mal. Se guardares o mandamento que eu hoje te ordeno de amar ao Senhor teu Deus, de andar nos seus caminhos, e de guardar os seus mandamentos, os seus estatutos e os seus preceitos, então viverás, e te multiplicarás, e o Senhor teu Deus te abençoará na terra em que estás entrando para a possuíres.” (Deut. 30:15-16).

2º Mandamento

maio 25, 2009

“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos” (Êx. 20:4-6)

Antes de tudo, é importante entender que esta “visita” até a terceira e quarta geração não se trata de uma vingança por parte de um Deus furioso, mas sim que este “castigo” (como aparece em outras traduções) que estes filhos sofrem, são apenas as consequências do pecado destes pais que menosprezavam a Deus.

Este mandamento é claramente um complemento do primeiro. Os que tem Deus em primeiro lugar como sugere o mandamento, naturalmente não permitem que qualquer outro “deus”, seja “animado ou inanimado”, ocupe o lugar que pertence somente ao Criador. Isso não se aplica somente a esculturas, estátuas de madeira, metal, gesso, pedra, barro etc, mas a tudo que pode desviar nossa atenção de Deus. Ele condena a necessidade humana desnecessária de materializar a Sua pessoa, até porque isto é impossível. Outro dia ouvi algo interessante de um amigo sobre suas idéias de pequeneza quando refletia a respeito de Deus: “Sabe, quando penso no tamanho de Deus, não consigo imaginá-lo menor que uma galáxia”! Por pensamentos assim, é muito triste tentarmos diminuir a Deus numa simples estatuazinha, algo fabricado, que diminua Sua grandeza!

Você sabe porque não existe nenhuma figura estatualizada de Jesus? Simplesmente porque os primeiros cristãos, muito fiéis obviamente, obedeciam claramente ao segundo mandamento! Em contrapartida, muitos imperadores romanos que viveram antes e depois de Jesus deixaram suas fisionomias “eternizadas” como esculturas, já que como pagãos, eles e seus artistas não obedeciam ao mandamento. Se nem do Criador é permitido fazer, porque as pessoas insistem em produzir tantas outras de “santos” que foram criaturas e não criadores? Se não é permitido ajoelhar-se diante de uma estátua de Deus ou anjos dos céus, como podemos nos ajoelhar diante de estátuas de homens e mulheres que nem sequer no céu estão?
Há muito tempo atrás, cerca de 3900 anos a.C., um deus falso chamado Moloke feito de metal com corpo de homem e cabeça de boi, servia como ídolo de adoração em rituais de sacrifícios de crianças. Esta estátua era aquecida até ao ponto que seus braços se tornassem incandescentes, onde então as crianças eram oferecidas e jogadas vivas no seu ventre! Ok, isto não acontece mais. Mas em compensação, temos o MOLOQUE ABORTO, onde pais, movimentos e ongs, protegem o “deus eu” e o “deus corpo”, tornando-os mais importantes do que a atitude de assassinar crianças aos milhares por ano, fazendo-os pensar que são diferentes de monstros como Hitler ou Mao-Tsé-Tung.

Bom, voltemos ao tema: Porque então Deus condena adorarmos outras coisas? Porque quando aceitamos “os moloques” em nossas vidas, nos tornamos parecidos com eles. Acabamos nos espelhando nestes falsos deuses que só nos trazem ruína e morte ao invés de nos espelharmos nEle que nos traz paz e vida. Quer um exemplo: MOLOQUE TELEVISÃO: Pessoas aos milhares são moldadas pelo comportamento dos “ídolos” do nosso século, que muito genericamente ensinam blasfêmias, perversão, erotismo, violência, paganismo, sexualismo precoce, palavriado de baixo calão, etc., estou errado?

E as esculturas? Como vimos, ao adorá-las, nos tornaremos parecidas com elas também: duras, sem poder enxergar, ouvir, comer, nem cheirar” (Deut 4:28), nos tornamos espiritualmente inanimados, sem poder. Além do mais, precisamos entender de uma vez por todas que quando Deus manda, cabe-nos obedecer e pronto, a não ser que queiramos ser teimosos ou mais inteligentes do que Ele. O importante não é o que nos agrada, mas o que agrada a Deus, isto se de fato o tememos. Deus é Espírito, portanto deve ser adorado em espírito e em verdade, e não numa forma visível e física como se propõe.

Vários outros pequeninos deuses vem tomando espaço do Único Deus sem ao menos percebermos: fitinhas, pé de coelho, espelhinhos, cores, vasinhos, plantinhas, colares, adesivos etc., tudo parte de um plano, acredite ou não, num conflito invisível do mal contra o bem para nos desviar a atenção do nosso Pai, portanto, quem você acha que está por trás de todos os deuses falsos?
REFLEXÃO: “De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem” (Ecl. 12:13)

4º Mandamento

maio 25, 2009

Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou. (Êxodo 20:8-11)

Infelizmente a maioria das pessoas sequer sabe que este mandamento existe. Sem dúvida nenhuma é dentre os dez o mais menosprezado e esquecido pela humanidade. Não é a toa que começa com “Lembra-te…”, justamente porque Deus já sabia pela Sua onisciência que seu povo esqueceria… não seria ensinado de pai para filho! Como a palavra “sábado” significa literalmente DESCANSO, muitos dizem erroneamente que o importante é lembrarmos do “dia de repouso” e não especificamente do sábado, contudo, o mandamento é explícito no versículo dez: “Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus…”. Como nação brasileira, nos é muito mais fácil identificarmos o sétimo dia, já que o sexto, é a sexta-feira (dia 6)!

Porque observá-lo? Dentre tantas razões, em primeiro lugar porque está entre os mandamentos, portanto, é instrução e não sugestão. Como Deus do universo os propósitos lhe pertencem e não a nós.

Em segundo lugar porque é o único mandamento ILÓGICO de toda a lei. Todos os outros nos são naturalmente apreciáveis porque são contrários a ele – são LÓGICOS na maneira que são vistos pela sociedade. Por exemplo: desonrar pai e mãe e roubar. Até aqueles que não se consideram cristãos ou ateus sabem que tais atitudes não são aceitáveis. Guardar o mandamento do sábado, é obedecer sem reservas, é ir na contra cultura, não para se salvar, mas porque fomos salvos e por AMOR obedecemos na confiança que Ele sabe exatamente o motivo pelo qual “nos pede” tal atitude! Como um amigo meu sempre diz – “Nós nunca perdemos quando obedecemos a Deus”!

Em terceiro lugar porque até Deus observou o mandamento, DESCANSANDO de toda a sua obra no sétimo dia da criação do mundo (Gên 2:1,2). Será que Ele precisava? De maneira nenhuma! Deus não se cansa. Guardou o Sábado por amor e exemplo a toda a humanidade, já que o dia foi diferenciado de todos os demais – conforme lemos acima, o dia é “ímpar”, porque é SANTO, foi ABENÇOADO e deve-se DESCANSAR de todas as obras que se referem aos nossos interesses, mas não das obras que são do interesse de Deus.

Muitos outros motivos existem: Jesus guardou o sábado (Lc 4:16); Paulo guardou o sábado (Atos 17:2); as mulheres que seguiam a Jesus fizeram o mesmo (Lc 23:56). O sábado é um SINAL entre Deus e seus filhos: “Demais lhes dei também os meus sábados, para servirem de SINAL entre mim e eles; a fim de que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica” (Ezequiel 20:12).

Há benção neste dia. Experimente!

REFLEXÃO: “Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus” (Mateus 5:17-19).

3º Mandamento

maio 25, 2009

“Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão” (Êxodo 20:7)

Tomar o nome de Deus em vão, significa proferí-lo sem a devida reverência, honra ou respeito. Significa destituir o nome de Deus da sua santidade, veneração e estima. Originalmente a escrita do nome do Senhor é “YHWH”, ou seja, um nome que não se consegue pronunciar, o que nos mostra por essência que não deve ser dito à toa.
Quando o nome de Deus era escrito nos tempos bíblicos, a reverência era tão grande, que naquele momento a pena era trocada por outra de “ouro”. Outro fato interessante é que na ocasião que o nome iria ser pronunciado, fazia-se um pequeno momento de silêncio, identificando que a ausência de som denotava que ali haveria de ser dito “Deus”.

Diferente de hoje, no passado as pessoas eram conhecidas apenas por seus primeiros nomes sem a presença do segundo, por exemplo: Jesus não tinha sobrenome, era apenas conhecido como “Jesus, filho de José”; o apóstolo Tiago como “Tiago, filho de Zebedeu” e assim por diante.
Portanto, o nome sempre estava ligado intimamente com o parentesco do pai. Quando alguém cometia algum ato alvo de comentário fosse bom ou ruim, certamente era lembrado assim: “Ahhh, foi fulano FILHO DE ciclano que fez tal coisa…”. A honra ou desonra do pai ficava alicerçada fortemente nos atos cometidos pelo filho.

A Bíblia diz que todos que aceitam a Cristo, recebem o direito de serem chamados de “Filhos de Deus” (João 1:12). Sendo assim, se você está nesta condição, possui muito mais que uma família humana, mas também foi adotado como parte de uma família celestial, e tem como Pai, o Deus Eterno.

Como filhos que amam seus pais, tenho certeza que qualquer pessoa que ouse falar mal, xingar ou maltratar seu pai ou também sua mãe, sofrerá no mínimo desprezo seu, pois como eu, não admitimos que nossos pais sejam alvo de qualquer dano por parte de outros. No entanto, como é comum nós mesmos falarmos o nome do nosso Pai Celestial com displicência, em momentos de brincadeira, de “intimidade”, em piadas: “Ó meu Deus!” ; “Ó Senhor!”; “Ó Deus!” . Outros ganham um pisão no pé e como iam falar um palavrão, decidem colocar o nome de Deus no lugar!
Muitos outros com facilidade “juram por Deus” por qualquer coisa, mesmo que estejam mentindo! Outro exemplo são as muitas músicas populares, onde o nome de Deus é tratado com futilidade e desprezo e mesmo assim cantarolamos nos esquecendo que estamos zombando da nossa própria família.

O nome de Deus também é dito em vão quando se justificam assassinatos, guerras, ataques terroristas e tudo aquilo que Deus desabona em Seu nome. Posso pedir: “pelo amor de Deus”, não posso ter este filho agora, é melhor você “tirar”! – Acabo de inserir o Nome sagrado em uma atitude que nada tem que ver com o caráter de Deus. Outro caso que me chamou a atenção, foi o da atriz pornográfica que durante uma entrevista em horário nobre, exclamou o seguinte quando lhe perguntaram sobre seu sucesso: “Este ano foi maravilhoso, Deus têm me abençoado muito!” – Certamente ela não faz a mínima idéia da tamanha bobagem que disse.

Talvez hoje a maneira mais comum de vermos este mandamento ser transgredido, são por pessoas que mais deveriam observá-lo: os líderes religiosos! Quando um suposto “representante” de Cristo acaba preso por “lavagem de dinheiro”, “evasão de divisas”, “falsidade ideológica” e etc, ele está confirmando o que Deus já sabia: “Eu não me preocupo com o Seu nome Senhor”!

Que eu e você possamos nos lembrar todos os dias de honrar e respeitar o nome do nosso Pai e que possamos ser vistos e lembrados como fiéis e legítimos FILHOS DE DEUS.

REFLEXÃO: “Quanto ao Todo-Poderoso, não o podemos compreender; grande é em poder e justiça e pleno de retidão; a ninguém, pois, oprimirá” (Jó 37:23)

5º Mandamento

maio 25, 2009

“Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá” (Êxodo 20:12)

Como pudemos ver anteriormente, os quatro primeiros mandamentos tratam diretamente do nosso relacionamento com Deus, enquanto que a partir do quinto, eles nos ensinam a nos relacionarmos com os outros seres humanos.

A ordem vale não só para os filhos, mas para os pais também. Afinal de contas, os pais estarão honrando também seus pais se educarem bem seus filhos. Está escrito: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele” (Prov 22:6).

O quinto mandamento é a instrução com promessa: “Honra teu pai e tua mãe para que VOCÊ viva mais”! Isto nos traz o ensinamento que o relacionamento saudável dentro de nossos próprios lares trarão automaticamente bons relacionamentos, paz e sucesso nas outras relações que ultrapassarem as fronteiras da nossa família. Hoje está mais do que comprovado que quando uma pessoa (principalmente os mais jovens) têm problemas dentro de casa, acaba tendo também problemas nos seus relacionamentos fora de casa. Seja no trabalho, na escola, com autoridades, com a namorada etc. Em contrapartida, a pessoa que se relaciona bem com seus pais é mais feliz, positiva, menos stressada, otimista, se relaciona bem em outros ambientes e consequentemente vive mais.

Contudo, infelizmente o mundo segue a passos largos ao rumo contrário: os filhos de hoje são na sua grande maioria “mini-ditadores” dentro de seus lares. Pais e mães não mais conseguem controlá-los em meio a este mundo que extrapola o desrespeito em todos os seus ângulos. Quem tem mais de trinta como eu sabe que bastava um “olhar diferente” dos nossos pais para que obedecêssemos imediatamente! Talvez até uns “tapas” que não matavam ninguém, em nome da boa disciplina. Hoje porém os pais preferem a psicologia do “deixa… deixa”; “não tem problema”; “faz o que ele quer”, “ele quer que compre isso”; “aquilo”… enfim, quem fica intimidado são os pais e não mais os filhos. Mas no fim o mundo mostra que quem não é educado em casa acaba sendo “educado” na rua. Por falta de umas pequenas palmadas, muitos estão apanhando de policiais e delegados. A disciplina de Deus é diferente da disciplina das famosas “Nanis”: “Aquele que poupa a vara aborrece a seu filho; mas quem o ama, a seu tempo o castiga” (Prov 13:24). Eu aposto na psicologia de Deus, e você? – “A vara e a repreensão dão sabedoria; mas a criança entregue a si mesma envergonha a sua mãe” (Prov 29:15).
Talvez você não seja pai, mas certamente é filho. Se você foi corrigido por seus pais, só por um deles, ou talvez por alguém que o(s) representou, agradeça-o(s) eternamente. Seja sempre grato àqueles que mais te amam nesta terra depois de Deus. Faça de cada palavra uma expressão de gratidão, de amor, de reconhecimento, mesmo que eles não tenham sido ou não estejam sendo aquilo que se espera que pai e mãe sejam, pois o que vale é obedecer a instrução – honrá-los e não obedecê-los cegamente. Lembre-se: eles fizeram tudo por você! Te criaram, educaram. Estiveram ao seu lado quando você adoeceu no meio da noite. Estiveram com você no seu primeiro dia de aula. Sua mãe carregou o “peso” na barriga por todos aqueles meses e foi ela que sentiu as dores do parto… e tantas coisas mais.

Sabe, os anos passam e de fato “o tempo não pára”! Estando eles vivos ou não, não perca a oportunidade de honrá-los. Faça-o hoje, sem mais demoras, sem reservas. Como? Sendo amoroso, pacífico, fiel, honesto, bondoso… traços do caráter de Deus em favor dos nossos sobrenomes!

REFLEXÃO: “Filho meu, guarda o mandamento de teu pai, e não deixes a lei da tua mãe; Ata-os perpetuamente ao teu coração, e pendura-os ao teu pescoço. Quando caminhares, te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. (Prov 6:20-22).

6º Mandamento

maio 25, 2009

“Não matarás” (Êxodo 20:13)
Não há sequer um ser humano nesta terra que não seja intrinsecamente marcado por este mandamento. Mesmo os aborígenes na Austrália, os índios da Amazônia, ou até os canibais nos lugares mais ermos do planeta são acusados por suas próprias consciências de que retirar a vida humana não é natural. Esta lei natural está inscrita no coração e na mente de cada pessoa humana, que, no fundo, sabe o que deve e o que não deve fazer. Pode reparar, mesmo que a lei civil aprove algo anti-natural, o coração humano reage, porque não reconhece naquela instrução humana o sinal da ordenação divina. Contudo, este mandamento tão óbvio aos olhos humanos, sempre foi e ainda é violentamente violado.

Nossas vidas não nos pertencem, Deus é o dono não só da vida dos homens, mas de qualquer outra forma de vida. Como toda e qualquer coisa que não nos pertence, não temos direito nem poder sobre ela. Cabe-nos apenas cuidar com extrema atenção daquilo que nos foi confiado.

Cada momento é um dom de Deus. Cada respiração, cada olhar, cada movimento… Ele nos deu o sopro de vida, e Ele é o único que tem o direito de tomar este sopro de volta! Se Ele é o Dono da vida, cabe-nos respeitá-la, porque ao respeitá-la, respeitamos o Dono. Matar voluntariamente é transgressão da lei, portanto é pecado. É separação do homem com o divino. Não importa: pode ser homicídio, suicídio, eutanásia, briga, guerra, aborto… o mandamento é claro – “não matarás” – percebe que não há excessões depois da frase? Obviamente que de todos os pontos citados, poderão ser desconsiderados quando os atos se encontram na reação ou ação natural: legítima defesa, acidente, guerra defensiva, aborto natural etc. Talvez o mais polêmico seja a questão do aborto. É verdade, são dezenas de histórias traumatizantes e monstruosas, mas só me fica uma pergunta na cabeça: Que culpa tem a criança pura para ser assassinada? Não devemos gerar cadáveres, não importando o tamanho deles – toda vida é sagrada (Gên 9:5,6).

Outra forma de quebrarmos este mandamento é nos matando ou matando ao próximo “aos poucos”. Como fazemos isto? Quando fumamos; quando bebemos; quando nos drogamos e também com atitudes mais simples, como comer e beber aquilo que Deus nos orientou que não consumíssemos e mais ainda quando incentivamos o próximo a fazer o mesmo, seja no nosso ambiente social ou profissional, quero dizer – se distribuo ou vendo drogas ilegais ou legais estarei automaticamente rompendo o mandamento.

Estes são alguns exemplos de danos feito ao Santuário do Espírito Santo (corpo), mas e ao espírito? Este mandamento inclui também a ira e o desprezo (Mat 5:21,22) e também ao ódio (I João 3:14,15). Complicado não é? O próprio Jesus nos orientou de que estes sentimentos são como botões autodestrutivos. Somos mais ou menos assim – se as pessoas são bacanas conosco, não vemos problemas em ser igualmente bacanas com elas. Mas e quando elas nos machucam? Podemos amar quem nos prejudicou? A resposta é trocarmos a ira pela calma, o desprezo pela atenção e o ódio pelo amor! Quando não fazemos isso, nos MATAMOS aos poucos também.

Quer uma dica para viver mais e não romper o sexto mandamento? Jogue fora, afaste tudo aquilo que te faz mal, seja para seu corpo ou para sua alma. Não tenha medo de tentar hoje. Comece pelas coisas mais simples, como suas refeições. Faça algo “grandioso” também: perdoe alguém que te magoou profundamente. Mas perdoe mesmo, sem reservas, pode ser hoje também! Perdoar é esquecer e não lembrar à frente depois; é ser bondoso sem segundas intenções. É perdoar aquela pessoa que não merece, justamente como Jesus fez com cada um de nós. “Mas a vós, que isto ouvis, digo: Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam; Bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam.” (Lucas 6:27,28).

REFLEXÃO: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo. Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno.” (Mateus 5:21,22).

7º Mandamento

maio 25, 2009

“Não adulterarás” (Êxodo 20:14)

De acordo com alguns dicionários, adulterar significa literalmente “alterar”, “corromper”, “violar”… “tirar alguém ou alguma coisa do seu estado original”. Olhando por este ângulo, muito além da realidade sobre adultério entre pessoas casadas, o adultério pode começar muito antes de estarmos em união conjugal. Como? Simplesmente violando ou tirando do original o lugar que Deus criou e habita – o Santuário do Espírito Santo, o seu e o meu corpo!

O mundo atual trata este assunto como uma piada, alegando que “os tempos são outros”. E é verdade. Os tempos são outros, mas as pessoas se esqueceram que o Deus continua sendo o mesmo. O desejo dele é que seus filhos consagrem seus corpos para uma única pessoa. Acredita-se em Deus, mas não acredita-se no seu Livro, portanto, tudo que “não se encaixa” com os padrões e desejos humanos, faz-se “vista grossa”. Lembre-se: Quem acredita em Deus e ou Jesus, só o faz por causa que a bíblia existe! Foi ela que nos trouxe esta informação. Então porque só consideramos algumas partes dela?

Se me considero filho de Deus, automaticamente estou declarando a Ele que tudo que tenho e que sou Lhe pertence. Todas as coisas, inclusive meu corpo, não me pertence (I Cor 6:19). Partindo desta verdade, não sou mais eu que decido apesar das minhas fraquezas o que meu corpo deseja, mas faço o que Deus deseja. Deus inspirou o apóstolo Paulo que recomendasse que os homens tratassem as mulheres com toda pureza, como se fossem suas irmãs (I Timóteo 5:2) e desta forma podemos concluir que as mulheres façam o mesmo, enquanto não forem casadas. Está escrito: “Fugi da impureza! Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer, é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo” (I Cor 6:18). O que deveria ser o Templo Sagrado do Espírito tornou-se o relicário da luxúria, co-irmã da concupisciência, da lascívia e da sensualidade. A fornicação (que inclui ter relações sexuais sem estar casado) também é outro problema. Os termos “prostituta”, “fornicação”, “fornicar” e “fornicador” são da mesma raiz em grego da palavra “vender”, que é a base da palavra em português para PORNOGRAFIA. Está escrito: “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia… como já vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus” (Gal 5:19-21). “Mas quanto aos… homicidas, e aos fornicadores… e todos os mentirosos, a sua parte será no lado que arde com fogo e enxofre; que é a segunda morte” (Apoc 21:8).

Como tudo que Deus nos propõe, os resultados são sempre bençãos e não o contrário. Há benção em se manter intacto para o seu cônjuge, mesmo que você não o conheça ainda! Você deve conhecer o exemplo de alguém que não ouviu a Deus neste sentido e paga o preço por esta desobediência – mãe solteira, dificuldades com criação e educação da criança, problemas com o pai; revolta da criança, problemas de pensão, problemas com os próprios pais… etc e etc! São muitos os exemplos.

Adultério no casamento então: lares falidos, filhos infelizes, enganos, mentiras e até morte. Está escrito: “O que comete adultério não tem juízo; todo aquele que assim procede a si mesmo se destrói” (Prov 6:32).

Entre tantos problemas, quer queiramos ou não, os fornicadores e os adúlteros são os principais disseminadores das DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) como Aids, Hepatite B, Herpes etc. Para se ter idéia, o vírus HIV é 450 vezes menor que um espermatozóide! Sexo seguro? A melhor resposta é a de Deus: “casamento puro”. Está escrito: “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará” (Hb 13:4).

Não faça do sexo (algo criado por Deus) algo banal e sem valor. Faça dele um presente inestimável de Deus para você. É algo muito maior do que recreação e satisfação. Deve ser realizado dentro dos padrões de quem o inventou e não pelos nossos. Contudo, se você não sabia desta vontade do Pai como eu também, vale o recado: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos PURIFICAR de toda a injustiça” (I João 1:9).

REFLEXÃO: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Filipenses 4:8).

8º Mandamento

maio 25, 2009

“Não furtarás” (Êxodo 20:15)

O “caminho fácil” sempre foi objeto de cobiça da maioria da humanidade. A tentação de se obter algo para satisfação própria mediante menos ou nenhum esforço, é uma realidade que brota na mente de quase todos os homens. Linhas de conduta, como integridade, caráter e honestidade, mais do que nunca, são facilmente negociadas como vemos hoje no mundo atual. Assuntos como “mensalão”, “caixa dois”, “desvio de verbas”, “superfaturamento”, são tão comuns que nem nos trazem mais espanto. O que é errado se tornou tão certo que ser honesto é quase imoral. Lembro-me da ocasião em que um rapaz entrou na minha loja e me “ofereceu meio a meio” se eu passasse “seu” cartão de crédito clonado. Quando disse que não, ele sorriu e achou aquilo o fim do mundo, como se dissesse: “Esse cara é muito burro”!

Quando falamos em furto, lembramos facilmente daquela pessoa que roubou nosso carro, nossa casa, carteira… enfim, são estes tipos de pessoas ou histórias comuns que nos trazem parâmetros entre o que somos e o que é ser um ladrão. Mas será que roubar é só isto? Será que para ser ladrão eu preciso estar na posição da maioria dos políticos, dos assaltantes de carros, de casas ou de bancos? Pois é, esta é a má notícia de hoje. Para ser ladrão e ser acusado acima de tudo por Deus, eu preciso fazer muito menos do que isto que lemos. Para Deus não existe pecadinho e pecadão, somente pecado. Para Ele não há uma escala de 0 a 10 entre ser honesto ou desonesto. Muito menos alguém que possa ser chamado apenas de meio honesto. Ou é inteiramente ou não o é! Está escrito: “Ajuntar tesouros com língua falsa é uma vaidade fugitiva; aqueles que os buscam, buscam a morte” (Prov 21:6). Percebe? Não é necessário propriamente roubar. Basta manipular informação, mentir, exagerar ou dizer menos que toda a verdade. Isto inclui fraude, trapaça, falcatrua ou qualquer espécie de engano para que se tire vantagem de alguém.

Outra maneira muito comum de transgredir este mandamento, é vendendo ou adquirindo cópias de cd´s, dvd’s, programas de computadores, roupas, acessórios, eletrônicos e similares de empresas ou profissionais sem que estes recebam seus direitos autorais. Talvez alguém esteja pensando: Mas porque pagar vinte se eu posso pagar dois na banca da esquina? Porque pagar trezentos pelo Windows se eu posso copiar de graça? Porque pagar trezentos pelo jogo de game se posso pagar trinta pelo pirata? A resposta é uma só: se eu não posso comprar, fico sem! Ou então, porque gastar horas numa monografia se eu posso levar cinco minutos para obter uma pronta na internet? E quanto ao governo? Eles arrecadam bilhões, então porque não dar uma camuflada na minha declaração? Afinal de contas, é o que as “pessoas espertas” fazem não é verdade? Mais ou menos como o rapaz do cartão clonado se sentia em relação a VISA que arrecada bilhões e “merece” tomar alguns prejuízos.

Há ainda muitas outras maneiras, mas o espaço não permite. Desde acabar com a reputação de alguém falsamente roubando-a a estima até roubar o direito da boa educação de uma criança quando seus pais são ausentes e agressivos.

Que eu e você possamos respeitar o que é do outro! Se achou algo, pegou emprestado, devolva. Se comprou, pague. Se algo foi colocado sob sua administração, administre: não desvie para si, não desvie para outro. Se você é empregado, não se esconda atrás da injustiça do patrão para fraudá-lo, seja fingindo que trabalha ou fazendo as coisas de qualquer jeito. Não corrompa. Não dê dinheiro por fora. Não dê propina. Se errou no transito, pague a multa; não tente subornar o guarda. Não receba dinheiro por fora. Não faça favores em troca de dinheiro. Enfim, seja honesto. Mesmo que tudo pareça bem hoje, tudo aquilo que está oculto, um dia será cobrado por Deus. “A pessoa honesta anda em paz e segurança, mas a desonesta será desmascarada” (Prov 10:9).

9º Mandamento

maio 25, 2009

“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (Êxodo 20:16)

Podemos facilmente quebrar este mandamento falando mal de alguém, manchando sua reputação ou denegrindo seu nome; principalmente se não temos certeza do que estamos dizendo, o que é sem dúvida a maioria dos casos. Fato é que nem deveríamos entrar neste tipo de assunto, porque ao entrarmos, estaremos certamente julgando o que não nos cabe julgar.

O mais interessante nesta instrução é que “testemunhar falsamente” não prejudica apenas ao que recebe a afirmação falsa, mas principalmente a quem praticou esta calúnia. Por isso, desde já fica aqui a essência do mandamento de hoje: quem mente ou levanta inverdades infundadas, não engana ou é contra somente ao próximo, mas é contra a si mesmo!

Jesus disse: “Eu sou o caminho, a VERDADE e a vida…” (João 14:6). Ele não disse que “possui” a verdade, mas sim que é a própria. A verdade não é somente uma emanação que vem dEle, mas antes é mais um dos sinônimos da própria essência de Deus, ou de como o vemos por Jesus.

Em contrapartida, Jesus nos disse que Satanás é o originador da mentira: “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44). Foi através dele que “o mundo ouviu” a primeira mentira quando enganou a nossos primeiros pais no jardim do Éden. Assim, pelo verso acima, compreendemos facilmente que quando MENTIMOS nos transferimos voluntariamente não mais como filhos de Deus, mas como filhos e discípulos do inimigo. Quando faltamos com a verdade, dizemos aos céus que não amamos a verdade, e consequentemente não amamos aquEle que é a mais pura verdade – Jesus!

Por mais que o mundo atual, principalmente dos negócios ache e muitas vezes ensine, mentir não é sinal de inteligência (Qi) muito menos de persuasão (Qe), mas sim uma característica de vida de quem vive sem Deus, que não ama a verdade e possui uma natureza pecaminosa. Está escrito: “O que usa de fraude não habitará em minha casa; o que profere mentiras não estará firme perante os meus olhos” (Salmos 101:7). Como a questão da mentira é oposição exata da verdade, rejeitando o próprio Deus da verdade, ela também será levantada no dia do juízo. O livro de apocalipse dá enfase a este assunto: “Nela (na cidade santa), nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro” (Ap 21.27).

Não levante falso boato, não minta. Na verdade, toda forma de fraude, engano, desculpas esfarrapadas, hipocrisia, lisonja, falsas promessas, duplicidade… são apenas formas disfarçadas de pecados que nos separaram de Deus.

Que o Seu Espírito possa convencê-lo diariamente, mesmo que não lhe pareça o ideal num primeiro momento, que praticar a verdade é sempre o melhor CAMINHO. “… porque aos que me honram honrarei, porém os que me desprezam serão desprezados” (I Samuel 2:30).

REFLEXÃO: ” Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Rom 8:31-32)
.

10 º Mandamento

maio 25, 2009

“Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo” (Êxodo 20:17)

O pecado nasceu no céu pela decisão errada de um anjo. O autor do pecado encheu-se de orgulho e decidiu em seu coração que estar ao lado de Deus refletindo Sua luz não seria mais o suficiente, por isso, foi o primeiro ser do universo a COBIÇAR aquilo que não lhe pertencia. Ele queria o lugar de Deus; queria estar acima da posição de Deus. Está escrito: “…Eu subirei ao céu, e, acima das estrelas de Deus, exaltarei o meu trono, e, no monte da congregação, me assentarei, da banda dos lados do norte. Subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14:12-14).

Lucífer (anjo de luz), refletia a luz que vinha do trono de Deus, tamanho privilégio como ser criado por estar ao lado do Pai no monte santo -”Tu eras QUERUBIM ungido para proteger, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti”. Vers 17. “… Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti” (Ez. 28: 14,15 e 17). Apesar do cargo de alta posição, da sua sabedoria, perfeição e beleza, este que fora um dia inocente e puro, um grande anjo dos céus, hoje é o líder dos anjos do mal que estão na terra (como lemos acima).

Portanto, sabemos agora que o primeiro ato de cobiça nasceu no coração do anjo que já não é mais chamado de “portador de luz”, mas sim de Satanás (que significa “adversário”). Porque citei todos estes versos? Pelo fato de entendermos que todo sentimento de ORGULHO, INVEJA e COBIÇA que eu e você possamos ter hoje, tem como originador o “adversário” de Deus e nosso também, o enganador de todo o mundo, o anjo que chefia o mal.

Esta instrução pede que afastemos nossos desejos de tudo aquilo que não nos pertence e que não precisamos. O desejo desenfreado por posses, dinheiro e poder que há muito vive o mundo, mais do que nunca ganha espaço na mente do homem moderno. Por amor ao ganho, muitos cobiçam o que é dos outros e a partir de então surgem toda espécie de maldade; por amor ao ganho, Judas traiu a Cristo.

Por cobiça, o homem adultera; por cobiça o homem rouba; por cobiça o homem trabalha no dia do Senhor visando maior lucro financeiro. A cobiça é perigosa: “E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui” (Lucas 12:15).

Tantas tecnologias, maravilhas modernas, distorcem ou até destroem a percepção da nossa realidade. A concupisciência dos olhos nesta corrida do “QUERER” sem moderação, sempre atrás de “COISAS”, faz com que muitos homens ultrapassem a linha do plausível, deixando para trás a honestidade, a generosidade, a verdade, a bondade, a família como um todo e tantos outros elementos fundamentais do caráter humano. Seu foco é querer sempre mais em busca de satisfação e suposta segurança, estar na frente, se destacar, custe o que custar!

Em contrapartida, o livro sagrado nos ensina que para nos mantermos felizes, devemos nos contentar com o que temos. Justamente o contrário que muitas denominações atuais pregam – que para ser feliz é necessário ter muitos carros na garagem; uma empresa gigantesca, casa na praia, no campo e tantas outras coisas. O cristianismo vem se tornando uma religião de “barganhas”, onde o cristão dá com o intúito de receber; onde Deus é procurado somente para que desejos sejam atendidos, na busca desesperada de bens materiais. Mas está escrito: “Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes” (I Tim. 6:6-9).

REFLEXÃO: “E houve BATALHA NO CÉU: Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão; e batalhavam o dragão e seus anjos, mas não prevaleceram; nem mais seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana a todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele” (Apoc. 12:7-9)


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.